quarta-feira, 20 de julho de 2011

Sobre a beleza

Diego Velásquez, Retrato de Menina (1640, The Hispanic Society of America, Nova Iorque).
---
«...Beleza, virtude máxima, sanctus sanctorum do nosso anelo. Só nos podemos aproximar dela por rodeios e depois de longa preparação no exercício das outras virtudes. Estas são a luz do nosso trabalho, mas a beleza é o próprio sol, e se o queremos fitar, temos de fazer uso de um vidro fumado para que não fiquemos cegos com o deslumbramento dos seus raios. Digamos de passagem: a noção que temos de beleza e que serve menos mal os nossos míseros trabalhos - é apenas para nosso uso particular (...); pelo menos, quando nós conhecermos a fórmula absoluta que revela a nudez deslumbrante da ideia de beleza (...) nunca nós publicaríamos o seu retracto; pelo contrário, guardá-lo-íamos no mais recôndito escaninho da casa-forte das nossas emoções (...)».
---
Raul Lino (1933).

5 comentários:

APS disse...

Só um um acrescento que, infelizmente, não é meu, mas de John Keats:
" A thing of beauty is a joy forever..."

Margarida Elias disse...

É verdade.

ana disse...

Margarida,
"... a beleza é o próprio sol, e se o queremos fitar, temos de fazer uso de um vidro fumado para que não fiquemos cegos com o deslumbramento dos seus raios".

Que conceito magnífico, dos melhores que tenho lido. Muito obrigada.
Beijinhos!:)

Sara disse...

Se a beleza tivesse posologia, talvez esta pudesse ser semelhante à de muitos medicamentos: "tomar com precaução" :)

Beijinhos!

Margarida Elias disse...

Ana: É um conceito interessante, de facto. Bj!

Sara: Do ponto de vista do Raul Lino é essa a realidade e é bem provável que ele tivesse razão. Bj!