terça-feira, 31 de julho de 2012

Abstracção

-
«That is beautiful which is produced by the inner need, which springs from the soul».
---

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Criatividade

Rudolf Bauer, Invention (Composition 31) (1933, Solomon R. Guggenheim Museum, New York).
---
When you are describing, 
A shape, or sound, or tint; 
Don't state the matter plainly, 
But put it in a hint; 
And learn to look at all things, 
With a sort of mental squint.
---

domingo, 29 de julho de 2012

Brincar

Giovanni Francesco Caroto, Read-headed Youth Holding a Drawing (Museo di Castelvecchio, Verona).
---
«A brincadeira é a porta de entrada da criança na cultura, sua apropriação passa por transformações histórico-culturais que seriam impossíveis sem o aspecto sócio-econômico, neste sentido, a história, a cultura e a economia se fundem dialeticamente fornecendo subsídios, ou melhor, símbolos culturais, com os quais a criança se identifica com sua cultura».
---
Alvaro Marcel Palomo Alves.

Figos

José António Barros, Natureza morta com frutos (Museu de Évora).
-
Gosto de figos, não só porque gosto do seu sabor (especialmente da variedade "pingo de mel"), mas também porque na Quinta dos meus avós havia uma enorme figueira - que era de figos pretos - que marcou o meu imaginário infantil. Mas também gosto de ver figos na arte e fiquei a pensar qual seria o seu significado. Pesquisei na internet e percebi que a figueira seca tem uma conotação negativa ligada ao Novo Testamento (representa a Sinagoga que não reconheceu Cristo como Messias), mas também li que sonhar com figos é sinal de dinheiro. Decidi aprofundar o tema e descobri que a figueira é um símbolo de abundância, que no Egipto tinha um sentido iniciático e que os eremitas se alimentavam de figos. Foi com folhas de figueira que Adão e Eva se taparam depois de provar do fruto proibido e no Livro dos Reis as outras árvores pediram à figueira para que reinasse sobre elas. Na Ásia ela é a árvore do mundo, que liga a terra ao céu. Foi debaixo de uma figueira que Buda obteve a Iluminação. É um símbolo de força, de vida, de fecundidade, de imortalidade e do conhecimento superior. Segundo as crenças dos antigos romanos, Rómulo e Remo tinham nascido debaixo de uma figueira e, para os gregos, a figueira era consagrada a Dionísio.
---
Bibliografia: Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, Dictionnaire des Symboles, Paris, Editions Robert Laffont, 1982 e http://www.citador.pt/

sábado, 28 de julho de 2012

«Travel with the eyes of the spirit wide open»

Camille Corot, View of Lormes Early (c. 1840, de Gandalf's Gallery).
---
Giuseppe de Nittis, The Serpentine, Hyde Park, London (1878).
-
Isaac Levitan, The Evening Church Bells (1892). 
---
«It is a pity indeed to travel and not get this essential sense of landscape values. You do not need a sixth sense for it. It is there if you just close your eyes and breathe softly through your nose; you will hear the whispered message, for all landscapes ask the same question in the same whisper. 'I am watching you -- are you watching yourself in me?' Most travelers hurry too much...the great thing is to try and travel with the eyes of the spirit wide open, and not to much factual information. To tune in, without reverence, idly - but with real inward attention. It is to be had for the feeling...you can extract the essence of a place once you know how. If you just get as still as a needle, you'll be there».
---
Lawrence Durrell, Spirit Of Place: Letters And Essays On Travel.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Há muitas maneiras de aproveitar o sol

John Sloan, A woman's work (1912).
---
Água fria, da ribeira,
Água fria que o sol aqueceu,
Velha aldeia, traga a ideia,
Roupa branca que a gente estendeu.
Três corpetes, um avental,
Sete fronhas, um lençol,
Três camisas do enxoval,
Que a freguesa deu ao rol.
---
Cantado por Beatriz Costa no filme Aldeia da Roupa Branca (1939).

quinta-feira, 26 de julho de 2012

«Os meus avós»

-
Há dias de sol em que estou contente,
Vou com a minha avó comer gelado.
Ela dá-me a mão e ri-se para mim,
E diz: «Estás tão giro! Quero ir ao teu lado!»
-

-
Há dias de Inverno em que estou mais triste,
Vou jogar às cartas com o meu avô.
Ele diz: «Tu tens jeito!», e ensina-me truques...
Quando vou embora, já nem triste estou.
-
-
Às vezes, nas férias, eu vou lá para casa,
Ando de baloiço e subo à nespereira,
Passo horas no sótão, fico todo sujo...
A minha avó ri-se e diz: «Já p'rá banheira!»
-
-
Nos dias de festa, encontro os meus primos,
E o meu avô vem connosco bricar.
Ele diz com voz grossa: «Eu sou um pirata!»
E nós, logo, em coro: «O maior do alto mar!»
-
-
Os meus avós contam histórias antigas,
Conversam comigo, dão-me rebuçados.
Se estou triste, ajudam, se estou bem, sorriem.
Conto os meus segredos, ficam bem guardados.
-
-
Os meus avós gostam de mim como eu sou,
Desde que eu nasci... No primeiro instante!
Podem estar mais longe, podem estar mais perto...
Eu sei que, p'ra eles, sou muito importante!
---
Inês Pupo e Gonçalo Pratas, Canta o Galo Gordo, Lisboa, Caminho, 2006.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

No Dia de Santiago

---
Liber Sancti Jacobi, também referido como Codex Calixtinus, é um manuscrito iluminado constituído por uma colectânea de textos em latim. O exemplar conservado na Catedral de Santiago de Compostela é datado dos anos entre 1150 e 1160. Este códice é sobretudo conhecido pelo Livro V, que se constitui no mais antigo guia para os peregrinos que faziam o Caminho para Compostela.
---
Resumido da Wikipedia.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Pescadores

Lilla Cabor Perry, Boy fishing (1929, White House Collection).
---
Embora nunca tenha pescado, nem tenha qualquer vontade de um dia o vir a fazer, gosto desta pintura e tenho uma certa inveja da paciência dos pescadores, que ficam longas horas a olhar para um rio ou mar. 
Diz John Buchan:
«The charm of fishing is that it is the pursuit of what is elusive but attainable, a perpetual series of occasions for hope».
Deve ser isso...

segunda-feira, 23 de julho de 2012

...o mundo não foi feito para ter medida

Joseph M. W. Turner, The Evening Star (c.1830], in Gandalf's Gallery)
---
No blogue Etnografia das Circunstâncias o post de hoje vem com uma fotografia lindíssima, acompanhada da seguinte citação, de que gostei muito:
«Eis a lição que aprendi em Jesusalém: a vida não foi feita para ser pouca e breve. E o mundo não foi feito para ter medida» 
(Mia Couto, Jesusalém, Caminho, p. 255).
-
E aqui fica também um diálogo de Calvin & Hobbes, que também vem a propósito:

domingo, 22 de julho de 2012

O que faz andar o barco

L.S. Lowry, Yachts (1959)
---
«O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê». 
---

sábado, 21 de julho de 2012

Maurice Prendergast: junto ao mar


-
Nantasket Beach (1896, Pennsylvania Academy of the Fine Arts).
-
Low tide (c. 1896-1897).
-
-
O pintor americano Maurice Prendergast (1858-1924), natural de Newfoundland, viveu em Boston desde 1868. Os seus estudos artísticos terão iniciado apenas em 1892, quando viajou até Paris, onde viveu três anos e estudou com Gustave Courtois, no Atelier Colorossi, e terá passado também pela Académie Julian. Nessa época, a sua pintura foi influenciada por Pierre Bonnard and Edouard Vuillard. No ano de 1895, voltou para os Estados Unidos, para Massachusetts, sendo deste período que são as pinturas que coloquei aqui no blogue. Em 1907, viajou de novo para a França, onde recebeu a influência de Cézanne e dos Fauves. No ano de 1913, participou no Armory Show (onde também expôs Amadeu de Souza-Cardoso) e no ano seguinte mudou-se para Nova Iorque. No ano de 1921, a Brummer Gallery empreendeu uma exposição retrospectiva do seu trabalho.

---
Link: National Gallery of Art.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dia Mundial da Amizade

Sarah Afonso, Meninas (1928. MNAC).
---
«Friendship is born at that moment when one person says to another, 'What! You too?
I thought I was the only one»
---

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Para ver os campos e o rio

John Joseph Enneking, Moonrise at Sunset, Gloucester, Massachusetts (1890).
---
Não basta abrir a janela 
Para ver os campos e o rio. 
Não é bastante não ser cego 
Para ver as árvores e as flores. 
É preciso também não ter filosofia nenhuma. 
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas. 
Há só cada um de nós, como uma cave. 
Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora; 
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse, 
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela. 

(...)
---
Alberto Caeiro,
citado por Manuela Gama Vieira.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Sobre a felicidade

Albert Edelfelt, Summer (1883).
---
«The most worth-while thing is to try to put happiness into the lives of others».
---

terça-feira, 17 de julho de 2012

Ler

Karin Jurick, Bench warranted.
---
«O livro é uma das possibilidades de felicidade de que dispomos». 
---

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Em dias de calor...

Jack Vettriano, Cani pazzi.
---
«It’s hard for me to put into words why I like the beach so much. Everything about it is renewing for me, almost like therapy...Beach Therapy»
---

domingo, 15 de julho de 2012

O destino das pedras

Julius Olsson, Gulls at Low Water, Carbis Bay, Cornwall (da Gandalf's Gallery).
---
«Era uma vez uma pequena pedra que se soltara do cimo de uma montanha, nem ela sabia quando, e rolara encosta abaixo, misturada a muitas outras.
A pequena pedra, filha de uma pedra grande, neta de um pedregulho, bisneta de um pedreira, estacionara com muitas irmãs, primas e família, numa cova de cascalho, à beira da estrada.
Delas não haveria história para contar, se um dia um garoto à cata de pedrinhas para pedrinhas para atirar com o estilingue, não a escolhesse, com mais umas tantas… Assim ela conheceu o calor de uma algibeira. Por pouco tempo, aliás.
De repente, viu-se a voar pelas alturas. Ia, talvez contra vontade, em direcção a um pardal, pousado num parapeito.
Felizmente, o pardal escapuliu, mas a pedra, que seguia um único sentido, foi bater numa vidraça, daquelas que se estilhaçam a qualquer sobressalto. Deveriam inventar vidro mais resistente !
Varrida com os cacos pela zangada dona de casa, onde estava a janela, a pedrinha caiu depois para trás de um muro derrubado. Agora, ela já tinha que contar.
Mas a história não ficou por aí. A vida de uma pedra é muito dura. Esta sofreu pontapés, andou aos tropeções, até que, ao fim de muitos anos, quando estava ela debruçada na margem de um rio, veio
outro garoto e atirou-a na água. Queria ver se ela dava um salto como um peixe.
A pedra, com o balanço, voou pelo ar, como se tivesse esquecido da lei da gravidade. Roçou a superfície plena da água, uma, duas, três vezes, até não conseguir mais. E afundou. Rolou na areia do fundo, ao sabor da corrente, que no inverno era muito forte. Quanto tempo? O tempo não era assunto da sua conta.
O que interessa saber é que a pedra, rolada pelo rio, foi parar a uma praia. Estava menor, mas muito mais bonita. Muito polida e brilhante, não parecia a mesma.
As mãos de um menino pegaram-na e levaram-na com ele. Iria voar, outra vez, atrás de um pardal, saltar sobre as águas, a fingir de peixe? Nada disso.
A pedra já merecia descanso. Foi colocada num vaso, sobre uma mesa onde também repousavam conchas, bolas de gude, corais e outros “tesouros” semelhantes. Ainda deve estar lá…
O que ela nunca saberá é que o menino que a trouxe da praia, o menino que a lançou ao rio e o menino que a atirou com o estilingue são os três como se fosse o mesmo menino: neto, filho, avô, surpreendidos no mesmo momento da infância.
Acontece…
São estas coincidências que movem o destino das pedras».
---

sábado, 14 de julho de 2012

Barcos de papel (para a Ana)

Albert Edelfelt, Pequeno barco (1884).
---
Day by day I float my paper boats one by one down the running
stream.
In bid black letters I write my name on them and the name of
the village where I live.
I hope that someone in some strange land will find them and
know who I am.
I load my little boats with shiuli flower from our garden, and
hope that these blooms of the dawn will be carried safely to land
in the night.
I launch my paper boats and look up into the sky and see the
little clouds setting thee white bulging sails.
I know not what playmate of mine in the sky sends them down
the air to race with my boats!
When night comes I bury my face in my arms and dream that my
paper boats float on and on under the midnight stars.
The fairies of sleep are sailing in them, and the lading ins
their baskets full of dreams.
---

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Comunhão com a natureza

Thomas Edwin Mostyn, Sitting on a Gate, Bushey (1893).
---
«Simplify, simplify».
---
Henry David Thoreau, Walden (1854).

quinta-feira, 12 de julho de 2012

«Absolute beginners»

George Goodwin Kilburne, A Game of Chess.
---
I’ve nothing much to offer 
There's nothing much to take 
I'm an absolute beginner 
And I'm absolutely sane 
As long as were together 
The rest can go to hell 
I absolutely love you 
But were absolute beginners 
With eyes completely open 
But nervous all the same 

If our love song 
Could fly over mountains 
Could laugh at the ocean/sail over heartaches second time 
Just like the films 
There's no reason 
To feel all the hard times 
To lay down the hard lines 
Its absolutely true 

Nothing much could happen 
Nothing we can't shake 
Oh were absolute beginners 
With nothing much at stake 
As long as you're still smiling 
There's nothing more I need 
I absolutely love you 
But were absolute beginners 
But if my love is your love 
Were certain to succeed 

If our love song 
Could fly over mountains 
Could laugh at the ocean/sail over heartaches second time 
Just like the films 
There's no reason 
To feel all the hard times 
To lay down the hard lines 
It’s absolutely true
---

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Arte e vida

Konstantin Korovin, Study of a rocky seascape.
---
«The main thing now is not to paint precociously but to be, or at least become, an individual. The art of mastering life is the prerequisite for all further forms of expression, whether they are paintings, sculptures, tragedies, or musical compositions». 
---
Paul Klee, Diary entry, June 1902.

terça-feira, 10 de julho de 2012

A Paisagem

Isaac Levitan, Cloudy day (1895).
-
Isaac Levitan, Stormy day (1897).
-

Isaac Levitan, The lake (1899-1900).
-
«It is the soul that sees; the outward eyes
Present the object, but the Mind descries.
We see nothing till we truly understand it».

segunda-feira, 9 de julho de 2012

A Arte

Piet Mondrian, Amaryllis (1910, in Alberti's Window)
---
«C’est le privilège de l’art que de ne rien démontrer, de ne rien "prouver", et cependant d’introduire dans nos esprits quelque chose d’irréfutable.»
---
Jean-Marie Guyau, L’art au point de vue sociologique, Partie II, 1887.

domingo, 8 de julho de 2012

Ao Sol

Charles Schulz, Snoopy (do Facebook).
---
«There are painters who transform the sun to a yellow spot, but there are others who with the help of their art and their intelligence, transform a yellow spot into the sun».
--- 

sábado, 7 de julho de 2012

Porto(s) de abrigo

Henri Moret, Lorient Harbor (c. 1895).
---
«Having a place to go - is a home. Having someone to love - is a family. Having both - is a blessing».
---
Donna Hedges,

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Sobre o tempo

John Joseph Enneking, The Summer Cottage (1888).
---
Bruno Latour, no seu ensaio Jamais fomos modernos, refere que o «tempo que o calendário marca situa claramente os acontecimentos em relação a uma série regular de datas mas a historicidade situa os mesmos acontecimentos em relação à sua intensidade». Esta é uma verdade, que ele associa a uma observação de  Nietzche, segundo a qual «os modernos têm a doença da história. Querem guardar tudo, datar tudo, porque pensam ter rompido definitivamente com seu passado. Quanto mais revoluções eles acumulam, mais eles conservam, quanto mais capitalizam, mais colocam no museu». Latour pergunta: «Estaremos realmente tão distantes de nosso passado quanto desejamos crer?». Na realidade, como ele verifica, o «passado permanece, ou mesmo retorna. E esta ressurgência é incompreensível para os modernos. Tratam-na então como o retorno do que foi recalcado. Fazem dela um arcaísmo». Para os "modernos"  tudo «aquilo que não avança no ritmo do progresso é considerado (...) como arcaico, irracional ou conservador». Contudo, Latour ainda pergunta: «Há algum país que não seja uma “terra de contrastes”?». 
Latour propõe uma nova maneira de encarar a temporalidade: «Suponhamos, por exemplo, que nós reagrupamos os elementos contemporâneos ao longo de uma espiral e não mais de uma linha. Certamente temos um futuro e um passado, mas o futuro se parece com um círculo em expansão em todas as direcções, e o passado não se encontra ultrapassado, mas retomado, repetido, envolvido, protegido, recombinado, reinterpretado e refeito (...). Em um quadro deste tipo, nossas acções são enfim reconhecidas como politemporais». E, de facto, citando Clio de Péguy e Michel Serres «somos trocadores e misturadores de tempo». Não somos tradicionais, pois a «idéia de uma tradição estável é uma ilusão da qual os antropólogos há muito nos livraram. Todas as tradições imutáveis mudaram anteontem». A questão a ponderar é que «nunca avançamos nem recuamos. Sempre selecionamos ativamente elementos pertencentes a tempos diferentes. (...) É a seleção que faz o tempo, e não o tempo que faz a seleção. (...) É a ligação entre os seres que constitui o tempo». Nesta nova noção do tempo há ainda uma outra questão a reter, já sgerida por Serres, em 1989:  «A história não é mais simplesmente a história dos homens, mas também a das coisas naturais».
---
Bruno Latour (1991).

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Casa

Edouard Manet, The House at Rueil (1882, in Gandalf's Gallery).
---
«Peace - that was the other name for home».
---

quarta-feira, 4 de julho de 2012

No Dia de Santa Isabel - a Tapada da Ajuda




Fotografias da Tapada da Ajuda.
---
«Na sombra - suave docel
Cobrindo o jardim antigo
A alma de Santa Izabel
Recorda um cantar de amigo.
.
E enquanto a Rainha o espera
Rezando contas saudosas
- A seiva da Primavera
Faz o Milagre das Rosas.
---
Tomás Ribeiro Colaço.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Meditação

Konstantin Korovin, On the shore of the Black Sea (Sebastopol Art Museum).
---
«Meditate Silently. You will be able to create A totally new life For Yourself»
---

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A arte e o seu significado

Gervais Courtellemont, Artists Painting, Dordogne River (National Geographic).
---
«Sim, a arte esclarece-nos sobre o significado de uma época, é o ponto terminal da sua expressão. Mas neste jogo do ovo e da galinha, como saber quem começou? A arte apura a água que a vida lhe forneceu e depois há-de beber - escrevi um dia».
---
Vergílio Ferreira (2004),
Pensar, Lisboa: Bertrand (7ª edição), p.151 - Obrigada Ana!

domingo, 1 de julho de 2012

Fortificações de Elvas são Património Mundial

-
---
«When we build, let us think that we build forever».
---
Ruskin (1849). 
The Seven Lamps of Architecture, Cap.VI.
---