sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Ainda do Monte Fuji e do Outono - com votos de bom fim-de-semana!

-
Não sou apreciadora do Outono, mas gosto das cores das árvores no Outono. Já vi esta estação ser comparada a uma alquimia, a uma transformação. E, embora essa ideia me agrade, não aprecio o facto ter de existir morte e separação. Lido mal com a nostalgia e com a melancolia.
Talvez por isso também não aprecie muito os dias de chuva e surpreendo-me sempre que haja alguém que goste. Por isso vou-me agarrando aos restos do Verão - e fiquei impressionada com esta frase que vi ontem no Facebook, na página da Maria J. Falcão:
 

-
Ora, eu ficava com os livros e o café (acrescentava chocolate e chá, entre outras coisas), mas dispensava sinceramente a chuva - embora saiba que é necessária (por mim, só choveria entre as 2 e as 6 da manhã, quando estou em casa e a dormir :-)).

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

A uma cadelinha que foi ontem para o céu dos cães :-(

© Pedro Rodrigues.
-
“You think dogs will not be in heaven? I tell you, they will be there long before any of us.”

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Árvores

Felix Vallotton, The Family of Trees (1922)
-
«(...). Há três anos que plantava árvores naquela região deserta, sozinho. Já tinha plantado cem mil das quais vinte mil já tinham nascido. (...)»
-
Jean Giono, O homem que plantava árvores, Marcador, 2012, p. 27*.
 -
Eyvind Earle, Autumn Eucalyptus (2006, © Eyvind Earle Publishing)
-
* um livro que comecei a ler e estou bastante curiosa.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Frases

 -
«- o importante é a imensidão da alma, com os seus tempos, as suas montanhas, os seus desertos de silêncio e os seus degelos, as suas flores dependuradas, as suas águas adormecidas: tudo isso é uma garantia invisível e sublime. Nela se baseia a tua felicidade e dela não te podes separar.»
-
Antoine de Saint-Exupéry, «Cidadela», in Livro Agenda 2016.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Castelo de Palmela


Igreja de Santa Maria

No castelo...


Vista da Península de Setúbal


Igreja de Santiago





quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A Princesa Kaguya e o monte Fuji


Katsushika Hokusai, Fuji, Mountains in clear Weather (Red Fuji) (1831)
-
De acordo com a lenda japonesa, quando chegou a altura de regressar à Lua, a princesa Kaguya ofereceu ao Imperador, que a amava, um frasco com um elixir da imortalidade, em conjunto com uma carta de despedida. Quando o Imperador leu essa carta, ficou tão triste que decidiu mandar queimá-la na montanha mais alta, que ficava na província de Seruga. Juntamente com a carta, mandou queimar o elixir, pois não suportava viver para sempre sem a princesa - e esperava que o fumo a alcançasse, levando-lhe essa mensagem. Diz-se que o nome do monte Fuji deriva da palavra que significa "imortalidade". Como a lenda surgiu numa altura em que o vulcão ainda estava activo, contava-se que o fumo era da carta que ainda estava a arder.
-
David Burliuk, Mount Fuji (1922)
 -
Shotei Takahashi, Fuji from Hakone (1932)
 -
Nicholas Roerich, Mount Fuji (1936, Latvian State Museum of Art, Riga)


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Do povo da Lua

-
O filme Kubo conta a história de um rapaz que é neto do rei da Lua, um rei com magia poderosa, que lhe desejava arrancar os olhos (e arrancou um) para que ele não se afeiçoasse às coisas terrenas.
A história fez-me lembrar outro filme que vi há um tempo (em DVD) que achei maravilhoso, que conta a história da Princesa Kaguya. Esta história corresponde a uma lenda antiga japonesa, e fala de uma princesa do reino da Lua (tal como a mãe de Kubo) que vem para a terra em bebé, sendo criada por um casal que não tem filhos. No fim é levada de volta ao mundo da Lua onde pertence - ao contrário de Kubo, que fica na terra. Em ambas as histórias existe um povo da Lua que, de algum modo, é fonte de magia e motivo de temor. O que me fez lembrar duas canções, sendo que a primeira, poderia bem aplicar-se à história de Kubo.
 
 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Da magia das memórias

Vi este filme no Sábado e gostei mesmo muito.
-
Memories are a powerful thing.”
(link)
-

-
If we hold our stories deep in our hearts, you will never take it away from us.” (link)
-

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Regresso às aulas


“Children need art and stories and poems and music as much as they need love and food and fresh air and play. “
-
-
Albert Anker, Schoolboy (1881)
-
Georg Bremen, A Schoolgirl (1864)
-

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Frases

...Do Star Trek (Caminho das Estrelas):

«There's no such thing as 'the unknown,' only things temporarily hidden, temporarily not understood.» (1966)
-
Walasse Ting, Milky Way (1966)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Caminhos

Hans Vandekerckhove, Pen-y-Fan (2007)
-
“There are no wrong turnings. Only paths we had not known we were meant to walk.”

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Coincidências

//
-
“For existential mathematics, which does not exist, would probably propose this equation: the value of coincidence equals the degree of its improbability.”
-

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Arte

-
«Images apparently occupy a curious position somewhere between the statements of language, which are intended to convey a meaning, and the things of nature, to which we only can give a meaning.»
-
E. H. Gombrich, Symbolic Images (1972).

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Em andamento

Gosto muito de viajar na A8 porque acho que tem troços muito bonitos e fico com vontade de fotografar. Outro dia experimentei pôr em prática a minha ideia e não ficou mal. Hei-de voltar a experimentar na Primavera que é quando fica mais bonita...


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A um gato desconhecido



-
"... With Cats, some say, one rule is true:
Don’t speak till you are spoken to.
Myself, I do not hold with that –
I say, you should ad-dress a Cat.
But always keep in mind that he
Resents familiarity.
I bow, and taking off my hat,
Ad-dress him in this form: O CAT!
But if he is the Cat next door,
Whom I have often met before
(He comes to see me in my flat)
I greet him with an OOPSA CAT!
I’ve heard them call him James Buz-James —
But we’ve not got so far as names.
Before a Cat will condescend
To treat you as a trusted friend,
Some little token of esteem
Is needed, like a dish of cream;
And you might now and then supply
Some caviare, or Strassburg Pie,
Some potted grouse, or salmon paste —
He’s sure to have his personal taste.
(I know a Cat, who makes a habit
Of eating nothing else but rabbit,
And when he’s finished, licks his paws
So’s not to waste the onion sauce.)
A Cat’s entitled to expect
These evidences of respect.
And so in time you reach your aim,
And finally call him by his NAME. ..."
-
Excerto de T.S. Eliot, “The Ad-dressing of Cats,” (cf. Brainpickings e este blogue)
-

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Amoras e Silvas

-
As amoras

O meu país sabe às amoras bravas
no verão.
Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.
Raramente falei do meu país, talvez
nem goste dele, mas quando um amigo
me traz amoras bravas
os seus muros parecem-me brancos,
reparo que também no meu país o céu é azul.
-




segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Leituras de Agosto passado... e de volta às "rodas"

Vasily Vereshchagin, Buddhist Temple In Darjeeling. Sikkim (1874)

«Era uma Dança... mas para a descrever era necessário todo o espaço e todo o tempo. Uma vida... mas eram necessárias todas as coisas vivas para a descrever. Uma mente... mas eram necessários todos os pensamentos para a conhecer. Mesmo assim, não poderia ser descrita, definida ou conhecida na sua inteireza. (...)» - Stephen Lawhead, O Ladrão dos Sonhos (1998), p. 432.
-
Neste verão li dois livros que me levaram aos Himalaias, por caminhos bem diferentes. No livro de Stephen Lawhead, O Ladrão dos Sonhos (1998), é lá, nomeadamente em Darjeeling, que se encontra um velho marciano, vindo de um mundo mais avançado mas arruinado, que deseja controlar a Terra, através do poder da mente, roubando os sonhos.
-
Nicholas Roerich, Sacred Himalayas (1933)
«And, overshooting all other marks, the arrow passed far and far beyond sight. At the last it fell; and, where it touched earth, there broke out a stream which presently became a River, whose nature, by our Lord's beneficence, and that merit He acquired ere He freed himself, is that whoso bathes in it washes away all taint and speckle of sin.» - Rudyard Kipling, Kim
No livro de Rudyard Kipling, Kim (Prémio Nobel de 1907), é lá que Kim e um monge budista procuram o Rio da Seta - onde terá caído uma seta disparada por Buda. Procuraram nas montanhas, mas terá sido noutro lugar que terá caído a seta. Segundo a lenda, através do contacto com esse rio, poderá obter-se a liberdade sobre a Grande Roda.

«He drew from under the table a sheet of strangely scented yellow-Chinese paper, the brushes, and slab of India ink. In cleanest, severest outline he had traced the Great Wheel with its six spokes, whose centre is the conjoined Hog, Snake, and Dove (Ignorance, Anger, and Lust), and whose compartments are all the heavens and hells, and all the chances of human life. Men say that the Bodhisat Himself first drew it with grains of rice upon dust, to teach His disciples the cause of things. Many ages have crystallised it into a most wonderful convention crowded with hundreds of little figures whose every line carries a meaning. Few can translate the picture-parable; there are not twenty in all the world who can draw it surely without a copy: of those who can both draw and expound are but three.» - Rudyard Kipling, Kim
-
Gosto de coincidências, e o facto de eu ter ido parar aos Himalaias por caminhos diferentes (e independentemente do final das respectivas histórias), levou-me a pensar neste lugar da Terra, que é provavelmente um dos poucos da Ásia que gostava de visitar. O que, por sua vez, me remete para um dos meus livros preferidos do Tintin:

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Ainda as rendas

Nicolaes Maes, The Lacemaker (1657)
-
Johannes Vermeer, The Lacemaker (1669-1671, Musée du Louvre, Paris)
-
Vasily Tropinin, The Lacemaker
-
Sofia Martins de Souza, Interior [Rapariga fazendo renda de bilros] (Museu Nacional de Soares dos Reis)
-
Louis Valtat, La Dentelliere (1906)
-
Salvador Dali, The Lacemaker (After Vermeer) (1954-1955)
-
João Vitalino, Escultura (Museu Nacional de Etnologia)