quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A arte de lavar roupa

Gabriel Metsu, Washerwoman (National Museum, Warsaw)
-
Jean-François Millet, Les Lavandières
-
Giovanni Boldini, The laundry (1874)
-
Mykola Pymonenko, Laundry
-
Silva Porto, As lavadeiras, Tapada da Ajuda (1879-1880, Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves)
-
Artur Loureiro, Uma lavadeira dos arredores de Paris (estudo) (1881, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto)
-
José Malhoa, Clara (1903, Museu do Chiado - MNAC, Lisboa)
-
Pierre-Auguste Renoir, Laundresses (1912)
-
Carlos Bonvalot, Interior (1918, Museu do Chiado - MNAC, Lisboa)
-
Américo Gomes, Monte Cativo - Porto / Lavadouro Público (1838, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto)
-
- 
Aldeia da Roupa Branca (1938)

7 comentários:

Paula Lima disse...

Bom dia!
Já tenho o "três corpetes e um avental" a cantar na cabeça. A do Malhoa conhecia. Todas as outras são fabulosas. Se a máquina veio dar uma grande ajuda, ninguém me tira da ideia que a roupa à mão será sempre mais bem lavada (embora seja fiel à minha máquina)!

LuisY disse...

Gostei muito desta sua breve resenha da lavagem da rua na arte, que termina com a Beatriz Costa na Aldeia da Roupa Branca.

Parece haver de facto uma atracção dos artistas por este tema. Será que haverá um não sei o quê de erótico na imagem de uma mulher a lavar a roupa ou serão as luzes e as cores que os atraem?

Margarida Elias disse...

Paula Lima - Acho que a máquina dá muito jeito, mas talvez estrague mais a roupa. Boa tarde! :-)

Margarida Elias disse...

LuisY - Nunca pensei nessa interpretação, mas é uma possibiliade. Na realidade até há bastantes mais pinturas e esculturas com este tema, eu é que escolhi estas.

Mister Vertigo disse...

Magnifica selecção para a exposição que fecha em beleza com "A Aldeia da Roupa Branca".
Boa noite!

Presépio no Canal disse...

Apreciei particularmente as pinturas de Boldini e Pymonenko.
Gosto de ver as roupas brancas estendidas nos arbustos.
E ainda me lembro do tanque da minha mãe, na varanda (era eu muito pequena).
Bj

Margarida Elias disse...

Sandra - Na minha casa dos Olivais também havia um tanque. Às vezes penso que poderia dar jeito numa emergência. Beijinhos!