sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Pintando no atelier XIII

Pietro Longhi, The Painter in his Studio (Ca' Rezzonico, Museo del Settecento, Veneza)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Évora

Praça do Giraldo e vista da Igreja de Santo Antão (Séc. XVI)



Igreja da Graça (Séc. XVI)

Palácio de D. Manuel (Séc. XVI)

Ruínas Fingidas (Séc. XIX)

Convento de São Francisco (Detalhe da Fachada Lateral Norte) (Séc. XV)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Museu de Évora

Santíssima Trindade, Convento de São Domingos, Évora (Séc. XIV)
-
Brasão de Armas da Cidade dos Antigos Paços do Concelho de Évora (c. 1513)
-
Retábulo da Capela-mor da Sé de Évora (c. 1500)
-
Gregório Lopes, Adoração dos Pastores, Convento do Bom Jesus de Valverde, Évora (1544)

Joana Baptista fecit, Oratório Portátil com Sagrada Família e Santos (Séc. XVII)
-
Pieter Bruegel (O Jovem), Festa de Casamento (1620)
-
Hendrick Avercamp, Paisagem no Gelo (c. 1620)
-
Trompe l'oeil com Instrumentos Musicais (1664)
-
Josefa de Óbidos, Ceia da Sagrada Família (c. 1660-1670)
-
Mesa da Encostar (Séc. XVIII)
-
Manuel Garcia Hispaleto, Atelier de Escultura (Séc. XIX)

Josefa Greno, Pomba entre Flores (Séc. XIX)
-
José Simões de Almeida, Alegria (1887)
-
António Alberto Nunes, Bernardim Ribeiro (1891)
-
António Carvalho de Silva Porto, Chafariz de Massamá (1892)

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

A Neve segundo Courbet

 
Gustave Courbet, Neve (1868, Museu Nacional de Arte Antiga)
-
Esta pintura já aqui esteve em 2013, mas regressa, não só pelo frio (e pelas saudades que tenho da neve), mas também porque gosto bastante dela.

domingo, 10 de janeiro de 2021

Para os anos do meu marido

 Com votos de muita saúde, muitas felicidades e muitos anos de vida 💓

Youqing Wang, A Cup of Beer (2019)

sábado, 9 de janeiro de 2021

Ao meu querido sogro

-
De quem vou ter sempre imensas saudades.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Pintando no atelier XII

 
Philippe Rosseau (in 312 Famous Artists And Their Studios)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

A Quinta de Santana

-
Julgo que já aqui mencionei a quinta dos meus avós paternos, no Redondo. Arranjei agora esta fotografia da casa, que foi tirada pela minha mãe, há uns 40 anos. 
A quinta ficava a um quilómetro do Redondo, que era a terra da minha avó paterna. Tenho pensado muito na quinta, porque, apesar de nem sempre ter sido um paraíso, tenho saudades. Saudades do espaço em volta, que era bastante grande, onde havia um pomar, um jardim, oliveiras e vinhas. Saudades das noites onde se viam as estrelas e a via láctea, como nunca mais as vi. Ou do pôr do sol que também era lindíssimo, assim como as flores silvestres que cobriam o chão na Primavera. Até tenho saudades das galinhas, a quem eu me fartava de dar milho sempre que tinha ocasião. Saudades da D. Antónia Rosa, vizinha da minha avó. E, claro, sobretudo, saudades dos meus avós. 
Costumava ir para a Quinta sobretudo no Verão e no Natal. No Natal a minha avó fazia um presépio grande, com muitas figuras e musgo, onde o Menino Jesus só entrava na noite de 24 de Dezembro. Havia também a lareira, junto da qual eu gostava de me sentar.
Mas outro dia lembrei-me da minha avó por outro motivo bem diferente. É que no Carnaval, pelo menos uma vez (e se a memória não me engana) ela fez uns bolos recheados de algodão, para fazer uma partida ao meu avô. Mas isso, foi na casa de Lisboa, que ficava na Rua Carlos Mardel, perto da Alameda.
Não sou muito saudosista, mas gostava que os meus filhos pudessem ter usufruído de uma quinta como a Quinta de Santana, que os meus avós tiveram de vender, há já bastante tempo.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Em Dia de Reis

 
Jean Bourdichon, Horae ad usum Romanum, dites Grandes Heures d'Anne de Bretagne, Folio 64 V (1503-1508, Bibliothèque Nationale de France. Département des Manuscrits. Latin 9474)

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

"A Satisfação do Trabalho"

Carl Larsson, Girl Sewing (1911, © Gandalf's Gallery)
-
«Para não sofrer, trabalha. Sempre que puderes diminuir o teu tédio ou o teu sofrimento pelo trabalho, trabalha sem pensar. Parece simples à primeira vista. Eis um exemplo trivial: saí de casa e sinto que as roupas me incomodam, mas com a preguiça de voltar atrás e mudar de roupa continuo a caminhar. Existem contudo muitos outros exemplos. Se se aplicasse esta determinação tanto às coisas banais da existência como às coisas importantes, comunicar-se-ia à alma um fundo e um equilíbrio que constituem o estado mais propício para repelir o tédio.
Sentir que fazemos o que devemos fazer aumenta a consideração que temos por nós próprios; desfrutamos, à falta de outros motivos de contentamento, do primeiro dos prazeres - o de estar contente consigo mesmo... É enorme a satisfação de um homem que trabalhou e que aproveitou convenientemente o seu dia. Quando me encontro nesse estado, gozo depois, deliciadamente, com o repouso e os mais pequenos lazeres. Posso mesmo encontrar-me no meio das pessoas mais aborrecidas, sem o menor desagrado; a recordação do trabalho feito não me abandona e preserva-me do aborrecimento e da tristeza».
-
Eugène Delacroix, in 'Diário' © Citador.

 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Quase a terminar o Natal

Bartolomé Esteban Murillo, Adoración de los pastores (c. 1650, Museu do Prado)

quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Ainda a Amizade

Mikalojus Konstantinas Ciurlionis, Friendship (1907, Čiurlionis National Art Museum, Kaunas, Lithuania)
-
«Substituir o amor-próprio pelo amor ao próximo é trocar um tirano insuportável por um bom amigo.»
-
Concepción Arenal.

Citação retirada do livro Dicionário de Citações e Provérbios, de Luis Señor González, publicado pelo Correio da Manhã, em 2004, p. 56.

terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Afinidades XLV

Claude Monet, Coin d'atelier (1861, Musée d'Orsay, Paris)
-
Carlos Reis, Interior do Atelier do Pintor (© Veritas)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

Ainda o Natal

Policarpo de Oliveira Bernardes, Fuga para o Egipto (c. 1730, Museu Nacional do Azulejo)
-
História Antiga

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava, e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da Nação.

Mas,
Por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.
-

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Com votos de Feliz Natal!

Jean Bourdichon, Horae ad usum Romanum, dites Grandes Heures d'Anne de Bretagne, Folio 51 V (1503-1508, Bibliothèque Nationale de France. Département des Manuscrits. Latin 9474)

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Impressões das exposições da Gulbenkian

Gostei muito da exposição de Lalique, onde estava a minha peça preferida que é a Menina do Mar (1919), que me faz sempre pensar na Sophia de Mello Breyner. Mas também apreciei as outras peças e a concepção da exposição, nomeadamente no confronto entre a Arte Nova e as estampas japonesas. Achei interessante a exposição de escultura, especialmente o Spinario de Simões de Almeida (1869), cópia da escultura helenística do Museu do Capitólio.
-
René Lalique e a Idade do Vidro. Arte e Indústria (curadoria de Luísa Sampaio), até 1 de Fevereiro:






-
Esculturas Infinitas. Do Gesso ao Digital (curadoria de Penelope Curtis, Rita Fabiana, Thierry Leviez, Armelle Pradalier), até 25 de Janeiro:



terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Antecipando o Natal IV

Youqing Wang, Christmas Ball Ornaments (2013)
-
A Christmas Poem

I have a list of folks I know,
all written in a book
And every year when Christmas comes,
I go and take a look,

And that is when I realize
that these names are a part
Not of the book they are written in,
but really from my heart

For each name stands for someone
who has crossed my path sometime,
And in the meeting they've become
the rhythm in each rhyme

And while it sounds fantastic
for me to make this claim,
I really feel that I'm composed
of each remembered name

And while you may not be aware
of any special link
Just meeting you has changed my life
a lot more than you think

For once I've met somebody,
the years cannot erase
The memory of a pleasant word
or of a friendly face

So never think my Christmas cards
are just a mere routine
Of names upon a Christmas list,
forgotten in between,

For when I send a Christmas card
that is addressed to you,
It is because you're on the list
that I'm indebted to

For I am but a total
of the many folks I've met,
And you happen to be one of those
I prefer not to forget

And whether I have known you
for many years or few,
In some ways you have a part
in shaping things I do

And every year when Christmas comes,
I realize anew,
The best gifts life can offer
is meeting folks like you.

And may the spirit of Christmas
that forever endures
Leave its richest blessings
in the hearts of you and yours.
-

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Com votos de bom Inverno!

 
Pierre-Antoine Quillard, As Quatro Estações: Inverno (1725-1729, Museo Nacional Thyssen-Bornemisza)
-
O Solstício de Inverno ocorre hoje às 10h02m. Entretanto, hoje também, vai haver uma conjunção planetária entre Júpiter e Saturno, uma nova “Estrela de Belém”, que irá culminar às 18h37m - segundo o Observatório Astronómico de Lisboa. Ainda de acordo com o OAL: «os dois planetas no dia 21 irão estar durante 2h20min acima do horizonte após o pôr-do-Sol. Os planetas serão visíveis muito brilhantes e encontram-se no lado sudoeste perto do horizonte». Indica-se um canal do Youtube onde se poderá seguir o evento on-line, a partir das 17:30 (hora de Portugal): https://www.youtube.com/channel/UCd0wCW9cOB9V_UTKOtc2yhw. Diz ainda o OAL que o fenómeno deste ano é especial porque vai ser a passagem mais próxima dos últimos 400 anos. Eu vou tentar ver no céu, mas duvido que veja grande coisa, até porque devem haver bastantes nuvens.